Inovar no combate à fraude por subfacturação

José António Moreira, Visão on line,

A notícia mereceu destaque na imprensa diária: as empresas que facturem mais de 100.000 Euros por ano ou emitam mais de 500 facturas vão ser obrigadas a utilizar programas de facturação certificados pela Direcção-Geral das Contribuições e Impostos (DGCI). Para obterem tal certificação, e previamente à respectiva comercialização, os produtores desse tipo de "software" terão de submeter àquele organismo cópia do mesmo acompanhada dos respectivos manuais.

04# Working Paper

capa do documento de trabalhoCarregue na imagem para importar o livro Autor: Óscar Afonso; Nuno Gonçalves
Título: Economia não registada em Portugal
Editor: Edições Húmus & OBEGEF
Data: 2009, Out.
Páginas: 34
©: Observatório de Economia e Gestão de Fraude
Formato ficheiro: pdf (portable document format)
Dimensão: 534 kb
Solicitação: Transmita-nos a sua opinião sobre este trabalho.

Os bónus milionários: velhas práticas, novos contextos

Carlos Pimenta, Visão on line,

1. Os prémios aos gestores estão no centro das atenções. A Visão de 20 de Agosto, reproduzindo Le Nouvel Observateur, fazia uma análise multidimensional dos prémios a gestores e correctores, juntando-se ao coro de muitos órgãos de informação. Toma como protótipo Andrew Hall, a quem o Citigroup, ajudado pelo Estado durante a crise, pagou 100 milhões de dólares no final do ano passado de salário e bónus, referente ao último semestre.

A Prevenção da fraude

António João Maia, Visão on line,

http://aeiou.visao.pt/a-prevencao-da-fraude=f530261

Para que uma estratégia de prevenção relativamente a um qualquer problema tenha o mínimo de êxito, importa que previamente os estrategas conheçam ao menos os principais traços caracterizadores do problema que pretendem evitar ou reduzir, sob pena de incorrerem no risco de implementar um plano (com os necessários custos associados) totalmente ineficaz.